Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017 -
MANIFESTAÇÃO

"Estamos em uma situação calamitosa", diz presidente da OAB Itabira sobre alvarás sem fundo

19/04/2017 17h44
DIVULGAÇÃO ASCOM OAB ITABIRA
O protesto foi realizado na tarde desta quarta-feira, em frente ao Fórum Desembargador Drummond

O valor retido pelo governo do estado com o não pagamento de alvarás judiciais do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) motivou a manifestação feita na tarde desta quarta-feira, 19 de abril, pela 52ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB Itabira) na porta do Fórum Desembargador Drummond. Os valores, segundo o presidente da instituição itabirana, Geraldo Menezes de Almeida, já ultrapassa R$ 18 milhões, somente no último mês.

O responsável em liberar os valores destes alvarás é o Banco do Brasil, mas segundo Geraldo Menezes os advogados ganham as causas, mas esbarram na falta de fundos, o que vem causando a indignação da classe em todo o estado.

Na tarde desta quarta-feira o presidente da Seccional Minas Gerais, Antônio Fabrício Gonçalves, teve uma audiência com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Morais, onde apresentou a situação dos advogados mineiros. O encontro com o ministro ocorreu no mesmo horário que as subseções realizaram suas manifestações na porta dos fóruns de suas respectivas comarcas.

“Eu diria que o coroamento das ações judiciais é o recebimento dos valores nelas contidos e neste coroamento é onde o advogado também recebe os seus honorários, então, os advogados e os jurisdicionados, que são as partes, ficam no prejuízo de um valor que já teriam, em tese, recebido através da conta judicial que o governo esvaziou. A luta não é só nossa, é de todos os mineiros de modo geral e isso está se estendendo pelo Brasil inteiro”, reclamou o presidente da OAB Itabira.

Ainda de acordo com Geraldo Menezes, a principal luta da OAB é revogar a Lei 21.720 por meio de Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN), que autoriza o poder público a fazer uso dos depósitos judiciais e impedir que o estado retenha as verbas daqui para frente.

“De um modo geral estamos em uma situação calamitosa, não só para nós, mas também para o Poder Judiciário que acaba ficando desacreditado, pois, ordem judicial não se discute, cumpre-se. A nossa principal luta é que o Supremo Tribunal Federal [STF] reconheça a inconstitucionalidade da lei, revogando-a imediatamente”, afirmou o representante dos advogados itabiranos.

Se você não tem Facebook, utlize o formulário abaixo para comentar.
Você pode ser o primeiro a comentar.
Novo comentário
Sou cadastrado
Não sou cadastrado
Comentário
Leia mais em: Cidade
Mais
Emprego